Lágrima

A iluminação veio quando cuspi a serpente que apossava o meu corpo.
A verdade não é importante
O importante é o que me dá paz
E o que me tira a paz

A pergunta que me libertaria estava serpentiando por minhas veias.

Passado a neblina das angustias,
organizadas as torrentes
o que era preciso veio a tona

Depois da tempestade
A bonança!

Como sempre:
A natureza é a melhor sabedoria que se pode consultar

Atirar o coração peito afora é bonito e romântico
mas voltar pra dentro, alinhar as veias e artérias
fazem o sangue circular melhor
com mais vitalidade

A coluna se ajusta,
estava torta
o passo, descompassado

O quadril retorna ao berço do sagrado
O feminino está aqui dentro,
Há um lugar onde posso ser livre

Aqui dentro, ajustado
Espalhado no meu laboratório alquímico

Na minha alquimia existencial de experimentar os espaços e tempos

A minha arte inspira
Inspiro para dentro, inflo os pulmões…cabendo somente até onde alcanço
expiro para fora, libero as sobras

Minha liberdade não a troco por nada
Novamente
A fenix

03_Columna_Rota_1944_03

 

 

 

 

Deixe uma resposta